Not support Recaptcha
Pular navegação

Gestão Escolar

Gestão escolar democrática

14 de julho de 2021

Compartilhe

Tags

  • Conselhor de Classe
  • Corpo Docente
  • Desafios
  • Equipe
  • Gestão Escolar

Você já deve conhecer o conceito de gestão escolar. Mas ele vem sendo aplicado de forma democrática na sua instituição? O nome pode ser autoexplicativo e parecer simples, mas na prática pode dar um pouquinho mais de trabalho, se não for aplicado da forma correta. Trazemos algumas dicas da professora e consultora pedagógica do Poliedro Sistema de Ensino Vanessa Aparecida Leite que vão te ajudar a pensar em conceitos práticos para desenvolver uma gestão escolar democrática e participativa.

Na prática, como deve funcionar a gestão escolar democrática?

De acordo com a LDB (Lei n. 9.394/1996), as instituições que ofertam a Educação Básica devem ser administradas com base no princípio da gestão democrática. Gerir uma instituição de maneira que possibilite a participação, a transparência e a democracia.

A gestão democrática está baseada na coordenação de atitudes e ações que propõem a participação social das comunidades intra e extraescolares, cooperando em todas as decisões da escola. Dessa forma, gestores, professores, funcionários, pais, alunos e todos os envolvidos na comunidade escolar podem opinar de maneira ativa nas decisões.

Vanessa acredita que, ao pensar em gestão escolar, deve-se levar em consideração dois aspectos: o aspecto legal, que diz respeito à legislação escolar, às normas que regem cada instituição, e o aspecto conceitual, que trata do conceito político e filosófico da escola. As escolas precisam ser vistas como organismos vivos e suas identidades.

“Para se ter uma gestão escolar democrática, considero muito importante também a aplicação destas três palavras: participação, transparência e democracia.”

  • Participação – professores, comunidade escolar, pais e alunos, por meio de um grêmio ou comitê estudantil, participando das atividades e escolhas das instituições das quais fazem parte.
  • Transparência – a escola precisa ter transparência em tudo que faz. A começar pela comunicação com as famílias, colaboradores e parte pedagógica.
  • Democracia – as instituições devem oferecer oportunidade para todos os envolvidos poderem falar, participar, conversar e opinar sobre assuntos que tiverem que deliberar.

Como colocar em prática?

Uma boa estratégia para começar essas mudanças é a criação dos conselhos escolares, os grupos de representantes de cada parte da comunidade escolar. Ter um conselho só dos professores, outro da coordenação pedagógica, outro dos alunos. Dessa forma você conseguirá fazer com que cada grupo se sinta parte do todo e tenham autonomia para deliberar sobre os assuntos que lhes dizem respeito. Pense também nos comitês administrativos e financeiros, para definirem os assuntos burocráticos da instituição.

Também é importante ter um comitê de crise, preparado para assuntos que fogem do comum, mas que podem surgir em algum momento. Pessoas preparadas para trabalhar no gerenciamento de uma crise ou de problemas que a escola possa enfrentar.

“As escolas precisam começar a pensar em criar um comitê para prever possíveis crises. No início de 2020, com a chegada da pandemia, muitas instituições não estavam preparadas para continuar de forma remota, e ter pessoas pensando em como reverter a situação e se encaixar no novo normal fez a diferença. Num momento de possível crise financeira ou baixa procura de matrículas, é necessário ter pessoas para pensar e agir no sentido de solucionar esses problemas de forma inteligente e deliberativa”, diz Vanessa.

Todas essas iniciativas devem partir das lideranças educacionais, começando na direção geral de cada instituição. A partir da gestão democrática, os gestores de cada instituição conseguem promover um ambiente educacional de qualidade, garantindo que os princípios de horizontalidade e de escuta sejam respeitados e exercendo liderança com os demais setores da escola, de maneira que as tomadas de decisão não se deem por meio de uma hierarquia, e sim com a participação de todos os interessados.

Administre sua instituição como se fosse um projeto, que tem como finalidade levar educação de qualidade para os alunos.

Faça com que o conselho pedagógico auxilie na elaboração do projeto político-pedagógico. Exercite a participação para ter a sensação de pertencimento.

Convoque reuniões semanais, quinzenais ou mensais, de acordo com a necessidade de cada conselho, para ouvir e entender o que cada um está vivendo e necessitando.

Para Vanessa, a palavra que melhor resume o conceito de gestão escolar democrática é PARTICIPATIVO.

 Em resumo, o objetivo da gestão escolar democrática é aproximar escola, pais e a sociedade para promover uma educação de qualidade e que estimule o exercício da cidadania.

Leia também: 6 passos para ter uma gestão escolar de qualidade https://www.sistemapoliedro.com.br/blog/6-passos-para-ter-uma-gestao-escolar-de-qualidade/.

Gostou desse conteúdo e quer saber mais sobre o Poliedro Sistema de Ensino? Fale com um de nossos especialistas.

Siga o Sistema Poliedro
nas redes sociais.

O que podemos fazer
pelo seu futuro?

Notícias relacionadas