Not support Recaptcha
Pular navegação

Educação Infantil

O que é pedagogia afetiva

02 de março de 2021

Compartilhe

Tags

  • ensino

“Crianças aprendem melhor quando gostam de seu professor – e quando sabem que seu professor gosta delas.”
– Gordon Neufeld

Recentemente, falamos aqui no blog como o desenvolvimento de habilidades socioemocionais pode ter uma grande importância no processo de aprendizagem dos jovens. O autoconhecimento e o entendimento dos próprios sentimentos é o primeiro passo para controlarem a si mesmos e compreenderem os outros.

O desenvolvimento dessas habilidades depende muito do relacionamento entre aluno e professor, que deve ser nutrido pelo afeto e a cooperação. Ao construir um vínculo afetivo com o professor, o jovem se sente amado e acolhido, o que possibilita que ele se abra mais e que a aprendizagem seja mais agradável e significativa. Quando o professor gosta de ensinar e o aluno quer aprender, não existem limites do que pode ser alcançado.

Esse tipo de metodologia surge da necessidade de desenvolver nos alunos novas competências e valores, como a autonomia, a responsabilidade, a solidariedade, o respeito, a cidadania, a sensibilidade e a criatividade. A formação dessas capacidades está prevista na BNCC em todos os segmentos educacionais, desde a Educação Infantil até o Ensino Médio, tamanha é sua importância.

Na pedagogia do afeto, o cuidado e a educação andam lado a lado, garantindo o bom desenvolvimento dos jovens ao longo do seu percurso educativo. Assim, devemos ter em mente que afetividade no ensino, para fazer sentido, deve estar vinculada à construção de conhecimento e habilidades.

O papel do afeto na formação dos alunos

A afetividade tem um papel fundamental na relação entre professor e aluno e no processo de ensino-aprendizagem. Ao equilibrar as exigências acadêmicas com a inclusão e o contato humano, a escola transforma o processo de aprendizagem do aluno, potencializando e tornando mais significativo.

Além disso, a pedagogia afetiva fortalece relações e estimula o desenvolvimento de vínculos sociais mais profundos, promovendo assim o afeto e a valorização das emoções entre alunos e professores. O desenvolvimento de habilidades socioemocionais é um dos principais benefícios dessa metodologia, pois prepara os jovens para enfrentarem desafios, frustrações e situações que podem encontrar dentro e fora do muro das escolas.

Portanto, a pedagogia afetiva contribui efetivamente para o autoconhecimento do jovem e a formação de um cidadão socialmente responsável, com maturidade para compreender o seu papel no mundo.

A pedagogia afetiva na sala de aula

Muitas escolas já têm a pedagogia afetiva dentro do seu PPP. Essa abordagem garante que o professor crie um vínculo afetivo com os alunos, que aprendem melhor e de forma mais completa ao se sentirem acolhidos. Com uma proposta pedagógica que motiva, incentiva e envolve, a escola garante que nenhum aluno seja deixado de lado durante o processo de ensino e aprendizagem.

Para um professor trabalhar a pedagogia do afeto, ele deve aprender a ver e a sentir as emoções de seus alunos. É preciso saber escutar e enxergar as dificuldades e necessidades de seus alunos, que podem ou não estarem ligadas ao ambiente escolar. Ajustar o olhar para cada situação e visualizar quais competências devem ser trabalhadas é a maneira de garantir a esse aluno a ajuda necessária.

A Base Nacional Comum Curricular e as competências socioemocionais

Com a adoção da BNCC, a educação como um todo passou a ter um grande foco na formação integral dos jovens, e não apenas os conhecimentos acadêmicos. A nova documentação busca garantir as aprendizagens essenciais que o aluno deve desenvolver, trazendo competências socioemocionais dentro das suas diretrizes.

Apesar dessas definições serem universais para todas as escolas, o professor deve ter em mente que cada aluno vem de um cenário social diferente e enxerga a vida da sua própria maneira. Por isso, é de extrema importância proporcionar relações positivas enxergando o estudante em sua totalidade.

A BNCC aborda a pedagogia afetiva diretamente nas competências gerais da Educação Básica, evidenciando a importância do desenvolvimento das emoções nos jovens. O documento também define que esse é um trabalho contínuo, que se inicia na Educação Infantil, e acompanha todo o processo educacional até o fim no Ensino Médio.

Colocando o conceito da pedagogia afetiva em prática

A pedagogia afetiva tem diversos benefícios, mas professores e coordenadores ainda têm receio desse tipo de abordagem por acreditarem que não conseguirão impor limites aos alunos. Na verdade, professores que desenvolvem um vínculo afetivo com a turma costumam ter muito mais controle sobre o comportamento dos alunos em aula, já que o limite é imposto pelo respeito e pelo carinho, e não mais pelo medo.

A coordenação também tem um papel muito importante na implementação da pedagogia do afeto, e cabe a ela garantir que o professor tenha acesso aos referenciais e aos conhecimentos necessários para trazer a abordagem para dentro da sala de aula.

Ao oferecer os recursos, como um programa de formação continuada ou até mesmo livros e materiais que abordem o assunto, a coordenação ajuda na criação de uma cultura com foco no afeto dentro do ambiente escolar.

Siga o Sistema Poliedro
nas redes sociais.

O que podemos fazer
pelo seu futuro?

Notícias relacionadas